Não existe fracasso, apenas feedback. Será?

Tempo de leitura: 3 minutos

Quando ouvimos a palavra fracasso, logo pensamos em vários sinônimos proveniente dessa “bendita” palavra. Podemos representá-la com vários adjetivos, desde erros de planejamento, como falha na estratégia, desorganização, inexperiência, entre uma infinidade de outras palavras representativas, que talvez estejam passando na sua mente agora mesmo. Contudo, damos de cara com essa frase: Não existe fracasso, apenas feedback.

Confesso que ela me chamou atenção, por isso decidir escrever esse artigo, pois como eu questionei. Talvez muitas pessoas se questionem também se essa frase realmente faz sentido. E com isso podem se perguntar:  Será? É isso mesmo? Eu não estou fracassando? Estou apenas tendo o feedback das minhas ações? Vale, ressaltar que fracasso é relativo, algumas pessoas aproveitam deles para melhorar, já outras ficam vivendo ele e com isso não saem do lugar.

Mas isso é assunto para outro post. Vamos ao que interessa e entender melhor sobre isso e como você de fato pode tirar proveito dessa frase.

Não existe fracasso, apenas feedback. Será mesmo?

Estudando mais afundo sobre Programação Neurolinguistica, (PNL) conseguir observar claramente que essa frase faz todo sentido.

Ou seja, se você tem dúvida sobre isso, fique certo que pelo que venho observando essa frase não existe fracasso, apenas feedback. Tem todos os argumentos plausíveis, para que ela possa ser levada em conta.

No livro, Como convencer alguém em 90 minutos do autor Nicholas Boothman (Vai por mim, esse livro é muito bom) Nos traz representações convincentes sobre essa regra de Muldoon.

Uma das histórias contadas no livro que irei contar de forma resumida, mostra a forma precisa de como o Francis Xavier Muldoon obtinha seu sucesso na carreira e nos relacionamentos com as pessoas, através de uma comunicação assertiva e plenamente conduzida com regras, e com forte poder de persuasão.

Vamos á história: Um dia Muldoon foi ao encontro de um diretor no escritório de uma companhia de matérias de correspondência, antes disso ele fez o Nicholas Boothman, Lamber, grupar e rabiscar 2,467 envelopes, uma maluca tarefa diga-se de passagem.

Chegando ao escritório o Muldoon que era representante de uma revista chamada Woman, estava incrível: Elegante e confiante, Já o Nicholas Boothman um pouco desconsertado com um saco que na qual estavam os envelopes.

Muldoon complementou o cliente em potencial, como se fosse velhos amigos, quase como se fosse irmão. Ele apresentou o Nicholas como seu assistente. O diretor sinalizou para ambos sentarem, Muldoon sorrio, e disse: “Com sua permissão tem algo para você”.

“Por favor, prossiga” disse o diretor, sinalizando com a cabeça uma vaga aprovação. Em seguida Muldoon disse que Nicholas iria mostrar, em seguida Nicholas estendeu uma enorme tela verde no chão, e sobre ela despejou todos aqueles envelopes.

Quando o diretor olhou ficou de boquiaberto, encarando a enorme pilha de correspondência, em seguida com uma voz gentil, porém precisa, Muldoon proclamou: Esses são os tipos de correspondências que você poderá esperar anunciando na revista Woman. Muldoon fez propositadamente uma pausa longa para ganhar a atenção e então olhando diretamente nos olhos do diretor disse: Duas mil quatrocentas e sessenta e sete respostas apareceram em apenas um dia de terem anunciado com a gente. Nós podemos fazer o mesmo por você.

O que você acha que aconteceu? A resposta talvez seja obvia. O Muldoon conseguiu mais um cliente, pela sua forma precisa de se comunicar.

Resumindo, quando não obtemos os resultados esperados, não podemos nos contentar com isso, mas sim, pensarmos em o que fazer da próxima vez para conseguir o resultado esperado.

Na historia contada, vimos que Muldoon soube não apenas criar uma conexão com o diretor através de olhar nos olhos dele e sorrir, mais além disso, ele soube explorar a imaginação, ou seja a partir do momento que foram despejadas aquelas inúmeras envelopes, o diretor sentiu que aquilo poderia acontecer com ele também, caso ele anunciasse na mesma revista.

Por isso vale sempre frisar que entender o fracasso como feedback é uma forma incrível de procurar alcançar o ponto ideal, a maneira mais assertiva e viável de alcançar seus objetivos com foco, por isso se você não conseguiu da primeira vez, tente obter os feedback necessários e prossiga, pois quando você entende em que falhou, vai corrigir e alcançar o seu objetivo. E de fato entender que não existe fracasso, apenas feedback.

Se este artigo foi bom para você, deixe um comentário, ou compartilhe nas redes sociais.

Joás Alves

Olá, meu nome é Joás Alves, sou bacharel em produção publicitária e empreendedor digital, uma das minhas mais queridas missões, é compartilhar conhecimento para ajudar no seu crescimento pessoal e profissional.

Artigos Relacionados